Arquivo da tag: facebook

Xeque-Mate

Olá, queridos leitores! (se ainda houver algum, hehe)

Como vão passando? Espero que bem.

Bom, finalmente vamos ter mais uma resenha! Ao som sempre infalível de Legião Urbana e Capital Inicial, resolvi escrever sobre uma obra que li ainda ano passado: “O Enigma do Oito”, escrito pela americana Katherine Neville em 1988.

Capa do livro, pela editora Rocco

O título do post é um tanto clichê (mas eu estava sem imaginação, perdoem-me), uma vez que a trama principal da história é justamente a do lendário Xadrez de Montglane, um magnífico serviço completo de xadrez dado pelos mouros a Carlos Magno. (Bom, “lendário” seria o termo usado no livro, porque tal jogo é uma invenção da autora… ;D) O xadrez é um artefato que, por gerações, séculos e até milênios, provocou fascínio nas personalidades mais interessantes em que você puder pensar, e também em anônimos nos quais você não poderia ousar imaginar (obviamente, porque são anônimos). De Catarina, a Grande, a czarina russa, ao francês Cardeal Richelieu, incontáveis famosos procuraram e caçaram o segredo do jogo, que, dizia-se, conferia poderes extraordinários àqueles que o possuíssem. Para sua proteção, Carlos Magno escondeu as peças na pequenina Abadia de Montglane, na França, onde permaneceu até certo momento da nossa história… Falaremos sobre isso daqui a pouco.

Xadrez de St Louis, tão ornamentado quando o de Montglane

Dois enredos acompanham a história do Xadrez, de forma intercalada e inextricável.

O mais antigo remonta ao limiar da Revolução Francesa (deu para notar que eu gosto de romances ambientados nessa época, né?), mostrando-nos a vida de Mireille e sua prima, Valentine, duas freiras da Abadia de Montglane encarregadas de proteger algumas das peças do Xadrez e servir de apoio a outras freiras na mesma situação. Elas foram obrigadas a dispersar-se da Abadia pois as peças estavam na mira do Bispo de Autun, ninguém menos que Maurice Talleyrand, o político francês influente durante todo o período antes, durante e depois da Revolução. As primas, então, abrigam-se com o Tio David, em Paris. (O tio é o verdadeiro Jacques-Louis David, que pintou o próprio Napoleão várias vezes). Durante a estada em Paris, Valentine é morta pelo cruel Marat, (isso mesmo, o inflamado jornalista revolucionário), e Mireille envolve-se com Talleyrand, engravidando. A essa altura, embora ele já esteja intensamente apaixonado pela moça, ela o deixa, atrás de mais informações sobre o Xadrez, empreendendo viagens a Rússia, Inglaterra, Egito…

O outro enredo situa-se na década de 1970, quando a especialista em computadores, Cat Velis, após presenciar inúmeros incidentes no mínimo estranhos no mundo do xadrez profissional, é enviada por sua empresa à Argélia, a fim de trabalhar em projetos relacionados a petróleo. Nem lá, porém, ela estará a salvo de todas as situações suspeitas que viveu em Nova Iorque. O renomadíssimo enxadrista soviético Alexander Solarin, que sempre aparece nas piores horas, parece gostar dela; os agentes do governo argelino agem de forma estranha e sua amiga, a rica jogadora de xadrez Lily, aparece em meio ao deserto para aumentar a confusão. Cat, sem seu consentimento, se vê presa em um jogo de xadrez; em um esquema para encontrar o Serviço de Montglane. Todos parecem estar envolvidos nesse complô e Cat, ocupando uma posição chave no jogo, não sabe exatamente em quem pode confiar.

Bom, até aí, as tramas parecem paralelas e desassociadas, ligadas apenas pelo Xadrez de Montglane. Entretanto, uma está profundamente atrelada a outra de forma muito surpreendente.

Minha opinião: o livro é muito bom, pois seu enredo é altamente envolvente e as personagens são cativantes. É muito difícil não se afeiçoar a Cat, Mireille ou mesmo a Maurice (o que achei chocante, porque jamais pensei que o chamaria pelo primeiro nome ou mesmo que gostaria dele, rsrs). Além disso, pouquíssimas vezes li uma obra tão bem engendrada. A autora conseguiu, magistralmente, encaixar seu enredo a personagens e acontecimentos reais ou factíveis, parecendo que todo o desenrolar dos fatos históricos foi, de alguma forma, provocado pelo Xadrez de Montglane.

Mas, acima de tudo, achei muito interessante e engraçado cruzar com personalidades históricas tão enfáticas e marcantes quanto Napoleão, Robespierre, Marat, Talleyrand, Bach, a Czarina Catarina, Delacroix ou mesmo o ex-ditador líbio, Muamar Kadaffi, que estava no auge de seu poder nos anos 1970 (e em plena Guerra civil quando eu li o livro.)

A famosa pintura de Delacroix,

Tenho apenas uma crítica à obra. Achei o final um tanto rápido, utilizando-se de um Deus ex Machina, ou seja, de uma solução repentina que resolve o problema. Pode ter sido só impressão, mas fiquei pensando que um livro tão bem desenvolvido poderia ter um final mais elaborado.

De qualquer forma, super recomendo a leitura dessa história maravilhosa. É fácil de ler e díficil de largar!

Sua etc,

Ms Reads

P.S.: Não esqueçam de ler algo de Charles Dickens! Seu bicentenário se aproxima…

Sigam o biblionphilia no Twitter e curtam nossa página no Facebook!

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

Love is in the air… Parte IV

Olá, queridos leitores!

Como está a vida, leitor? Espero que boa com As Festas chegando… 🙂 Muito bem, vamos a outro romance? Esse será o último dessa série por um tempo, já que há outros estilos literários nos esperando!

4. Mar Morto

Vamos agora deixar para trás aquele terreno sólido e decoroso dos romances ingleses escritos por mulheres no século XIX, e passar para um cenário completamente diverso, a Bahia do século XX, a Bahia de Jorge Amado. “Mar Morto”, escrito por Jorge Amado em 1936, é um livro sobre os homens do mar, um romance e uma crítica. Talvez seja até mais uma crítica e uma representação da sociedade que um romance, mas é impossível não se apaixonar pela história de amor dos protagonistas.

Capa de uma das edições do livro

Guma, criado pelo tio, nasceu e cresceu no cais, conhecendo os mares como poucos e aceitando, resignado, o destino de todo homem do mar: a morte por Iemanjá, nas águas traiçoeiras do oceano. Talvez o segundo grande amor de Guma tenha sido a própria Iemanjá, que, como escreveria Jorge Amado, é esposa e mãe de todos os marinheiros. Mas, embora tenha tido amantes, dentre elas a famosa no cais, a determinada e forte Rosa Palmeirão, Guma nunca mais foi o mesmo após ver Lívia. Ao ter contato com seus olhos pela primeira vez, Guma soube que ela haveria de ser dele. Lívia era uma moça da cidade e havia sido criada para um futuro muito melhor que o de esposa de marinheiro, aquela mulher que aguardava todos os dias pelo momento em que ouviria falar da morte do marido. Mas Lívia também amou Guma desde o primeiro momento e, após fugir com ele em uma tempestade para uma ilha “amaldiçoada”, os dois se casaram. Juntos, tiveram um filho e, embora Lívia amasse muito ao marido, vivia envolta no medo de perdê-lo. Eventos de natureza sigilosa, porém, acontecem, podendo colocar a pequena e feliz família em risco…

Saveiro, meio de transporte e sustento de Guma (Barco de dois mastros, que se destina à pesca ou ao transporte de mercadorias.)

É difícil bolar questões, como no final de todos os livros que citei até agora na série Romances, para este livro. Não posso começar a escrever: Que são esses eventos devastadores? Qual a sua consequência para a vida das personagens? Viveria Lívia para sempre engolfada em seus receios? Perceberia Guma que era mais saudável para sua família afastar-se do mar? Poderia o amor dos dois vencer barreiras, etc, etc? Essas interrogações não fazem sentido algum, pois, brilhantemente, Jorge Amado nos faz saber o final do livro já no primeiro capítulo, e, ainda sim, torna-se necessário ler toda a obra para entender o que já sabíamos desde o princípio.

O desfecho do livro é absolutamente lindo, emocionante e inspirador, podendo nos tocar e/ou nos fazer refletir. Recomendo a obra a todo aquele que quiser uma leitura mais original, um clássico que não é bem um “grande” clássico; a todo aquele que desejar ler uma história interessante e magistralmente escrita. Apenas advirto: é um livro pesado, tanto pela temática, que requer maturidade, quanto por sua abordagem e construção, uma vez que a linguagem e a estruturação das frases não são das mais simples.

Espero que gostem!

Curtam nossa página no Facebook e nos sigam no Twitter!

Sua etc.,

Ms Reads

Deixe um comentário

Arquivado em Resenha, Uncategorized

Love is in the air… Part III

Olá, estimados leitores!

Como vão? Bom, hoje teremos mais um emocionante capítulo da série: Romances…

3. Norte & Sul

É o último romance vitoriano, juro. (“Jane Eyre” também era vitoriano). Escrito por Elizabeth Gaskell, em 1855, essa obra foi editada por ninguém menos que o ilustre Charles Dickens e é a mais pesada das que mencionamos anteriormente, à medida que apresenta críticas ferrenhas a sociedade inglesa pós-Revolução Industrial.

Margaret Hale foi criada junto à tia, em Londres, mas ama com todo coração a paróquia onde vivem os pais, no campo, ao sul da Inglaterra. Quando o Sr. Hale, em dúvida sobre doutrina da Igreja Anglicana, desliga-se desse órgão, a família é obrigada a se mudar para a cidade industrial de Milton-Northern, inspirada na real Manchester. Lá, o Sr. Hale dá aulas a adultos, sendo um de seus pupilos o industrial Sr. John Thornton. Margaret, a princípio, detesta a cidade, impregnada de fumaça, povoada por gente muito simples, ignorante e rude, contrastando demais com a sociedade rural que ela amava e pintava como perfeita. E o Sr. Thornton, para ela, está no topo disso, dono de uma das fábricas da região. Desde o início, Thornton encanta-se com a moça, gentil e sofisticada. Quando, em uma das manifestações dos operários, Margaret o salva de uma pedrada, ele tem certeza de que ela retribui sua admiração e declara-se a moça. Margaret, ofendida por tais sentimentos, rejeita o cavalheiro, que, jamais deixando de amá-la, gradativamente se afasta da família.

Margaret salvando o Sr. Thornton

Muitos acontecimentos sucedem esse evento: Margaret se aproxima de uma humilde família operária, ajudando-a como pode; seu irmão, Fred Hale, exilado para a Espanha por uma revolta da Marinha, volta para ver a mãe em seu leito de morte; a Sra. Hale morre; Thornton avista Margaret abraçando Fred e é tomado pelo ciúme; a melhor amiga de Margaret fica terrivelmente doente… E durante todas essas ocasiões, Thornton nunca deixa de amar Margaret e esta, após alguns episódios que valem a pena ser lidos, começa a nutrir certa afeição por John. Mas tudo está contra os dois agora: o Sr. Hale morre, a empresa de Thornton fale, seu padrinho também é levado pela Morte e Margaret continua sendo cortejada pelo irmão do marido de sua prima (relação confusa, não?), um advogado que ela conhece há muito tempo e que gosta muito dela.

Poderia o preconceito de Margareth com o norte industrial acabar em favor do Sr. Thornton? Conseguiria este reerguer sua empresa? Será possível que o amor dos dois possa um dia vingar? É uma bela história ambientada no eterno embate entre o romance e a realidade, escrita com muita delicadeza, principalmente no que concerne a cenas sem qualquer importância, cenas cotidianas, que são descritas com particular suavidade e graça.

Aconselho a qualquer tipo de leitor, principalmente ao público feminino ou mais emotivo, já que, diferentemente de “Orgulho e Preconceito”, o livro “Norte e Sul”, é escrito em uma linguagem mais suave e romântica, que pode não agradar a leitores mais dinâmicos. Porém, se você não está acostumado a livros muito descritivos, que se prendem em todos os pormenores, opte por somente assistir à série de 2004, com Richard Armitage e Daniela Denby-Ashe, da BBC. A série é altamente fiel à obra, e, por ser unicamente visual, não se detém em comentar e narrar os detalhes, obviamente.

A maravilhosa série baseada no livro

Ah, a obra costumava ser extremamente difícil de se encontrar, existindo raras edições “pocket” perdidas nas estantes e para downloads grátis na internet (é domínio público). Neste ano, porém, encontrei uma versão bilíngue (português-inglês) disponível em inúmeras livrarias, ou seja, nenhum motivo para você não ler!

A única versão do livro que achei em português

Aguardem o próximo post e não esqueçam de curtir a página do biblionphilia no Facebook!

Sua etc.,

Ms. Reads

Deixe um comentário

Arquivado em Resenha, Uncategorized

Facebook

Olá leitores queridos!

Sei que meu último post foi há pouquíssimo tempo, mas gostaria de fazer um pronunciamento de extrema importância: o blog biblionphilia orgulhosamente apresenta sua página no Facebook! Chequem neste link ou procurem por biblionphilia. Muito obrigada por fazer parte dessa comunidade de novos ou velhos leitores! É um prazer estar com vocês!

Um pouquinho de humor…

Sua etc.,

Ms Reads

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized