Arquivo da tag: livros

Comprometo-me a ler a palavra impressa

Read the Printed Word!

1 comentário

Arquivado em Uncategorized

Xeque-Mate

Olá, queridos leitores! (se ainda houver algum, hehe)

Como vão passando? Espero que bem.

Bom, finalmente vamos ter mais uma resenha! Ao som sempre infalível de Legião Urbana e Capital Inicial, resolvi escrever sobre uma obra que li ainda ano passado: “O Enigma do Oito”, escrito pela americana Katherine Neville em 1988.

Capa do livro, pela editora Rocco

O título do post é um tanto clichê (mas eu estava sem imaginação, perdoem-me), uma vez que a trama principal da história é justamente a do lendário Xadrez de Montglane, um magnífico serviço completo de xadrez dado pelos mouros a Carlos Magno. (Bom, “lendário” seria o termo usado no livro, porque tal jogo é uma invenção da autora… ;D) O xadrez é um artefato que, por gerações, séculos e até milênios, provocou fascínio nas personalidades mais interessantes em que você puder pensar, e também em anônimos nos quais você não poderia ousar imaginar (obviamente, porque são anônimos). De Catarina, a Grande, a czarina russa, ao francês Cardeal Richelieu, incontáveis famosos procuraram e caçaram o segredo do jogo, que, dizia-se, conferia poderes extraordinários àqueles que o possuíssem. Para sua proteção, Carlos Magno escondeu as peças na pequenina Abadia de Montglane, na França, onde permaneceu até certo momento da nossa história… Falaremos sobre isso daqui a pouco.

Xadrez de St Louis, tão ornamentado quando o de Montglane

Dois enredos acompanham a história do Xadrez, de forma intercalada e inextricável.

O mais antigo remonta ao limiar da Revolução Francesa (deu para notar que eu gosto de romances ambientados nessa época, né?), mostrando-nos a vida de Mireille e sua prima, Valentine, duas freiras da Abadia de Montglane encarregadas de proteger algumas das peças do Xadrez e servir de apoio a outras freiras na mesma situação. Elas foram obrigadas a dispersar-se da Abadia pois as peças estavam na mira do Bispo de Autun, ninguém menos que Maurice Talleyrand, o político francês influente durante todo o período antes, durante e depois da Revolução. As primas, então, abrigam-se com o Tio David, em Paris. (O tio é o verdadeiro Jacques-Louis David, que pintou o próprio Napoleão várias vezes). Durante a estada em Paris, Valentine é morta pelo cruel Marat, (isso mesmo, o inflamado jornalista revolucionário), e Mireille envolve-se com Talleyrand, engravidando. A essa altura, embora ele já esteja intensamente apaixonado pela moça, ela o deixa, atrás de mais informações sobre o Xadrez, empreendendo viagens a Rússia, Inglaterra, Egito…

O outro enredo situa-se na década de 1970, quando a especialista em computadores, Cat Velis, após presenciar inúmeros incidentes no mínimo estranhos no mundo do xadrez profissional, é enviada por sua empresa à Argélia, a fim de trabalhar em projetos relacionados a petróleo. Nem lá, porém, ela estará a salvo de todas as situações suspeitas que viveu em Nova Iorque. O renomadíssimo enxadrista soviético Alexander Solarin, que sempre aparece nas piores horas, parece gostar dela; os agentes do governo argelino agem de forma estranha e sua amiga, a rica jogadora de xadrez Lily, aparece em meio ao deserto para aumentar a confusão. Cat, sem seu consentimento, se vê presa em um jogo de xadrez; em um esquema para encontrar o Serviço de Montglane. Todos parecem estar envolvidos nesse complô e Cat, ocupando uma posição chave no jogo, não sabe exatamente em quem pode confiar.

Bom, até aí, as tramas parecem paralelas e desassociadas, ligadas apenas pelo Xadrez de Montglane. Entretanto, uma está profundamente atrelada a outra de forma muito surpreendente.

Minha opinião: o livro é muito bom, pois seu enredo é altamente envolvente e as personagens são cativantes. É muito difícil não se afeiçoar a Cat, Mireille ou mesmo a Maurice (o que achei chocante, porque jamais pensei que o chamaria pelo primeiro nome ou mesmo que gostaria dele, rsrs). Além disso, pouquíssimas vezes li uma obra tão bem engendrada. A autora conseguiu, magistralmente, encaixar seu enredo a personagens e acontecimentos reais ou factíveis, parecendo que todo o desenrolar dos fatos históricos foi, de alguma forma, provocado pelo Xadrez de Montglane.

Mas, acima de tudo, achei muito interessante e engraçado cruzar com personalidades históricas tão enfáticas e marcantes quanto Napoleão, Robespierre, Marat, Talleyrand, Bach, a Czarina Catarina, Delacroix ou mesmo o ex-ditador líbio, Muamar Kadaffi, que estava no auge de seu poder nos anos 1970 (e em plena Guerra civil quando eu li o livro.)

A famosa pintura de Delacroix,

Tenho apenas uma crítica à obra. Achei o final um tanto rápido, utilizando-se de um Deus ex Machina, ou seja, de uma solução repentina que resolve o problema. Pode ter sido só impressão, mas fiquei pensando que um livro tão bem desenvolvido poderia ter um final mais elaborado.

De qualquer forma, super recomendo a leitura dessa história maravilhosa. É fácil de ler e díficil de largar!

Sua etc,

Ms Reads

P.S.: Não esqueçam de ler algo de Charles Dickens! Seu bicentenário se aproxima…

Sigam o biblionphilia no Twitter e curtam nossa página no Facebook!

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

Entre Sebos & Páginas Amareladas

Olá, queridos leitores!

Arranjei algumas horas para postar uma coisinha à toa obre a qual vinha pensando há algum tempo. Não, infelizmente não haverá resenhas hoje, embora eu já tenha algumas ideias para futuras postagens…

Hoje vou contar a vocês sobre uma excelente aquisição que fiz em julho do ano passado. Lá estava eu, dando uma olhada no Facebook, quando resolvi procurar uma página sobre Charles Dickens para curtir dentro de “Livros Preferidos” Ao curtir tal página, deparei-me com um leilão no eBay: lance inicial de £0,99 por uma edição original do século XIX do livro “Um Conto de Duas Cidades”. Não é nem preciso comentar o quão animada eu fiquei, logo partindo para cobrir o primeiro lance. Acho desnecessário contar os pormenores da situação, basta que saibam que fechei o leilão em £6. Os segundos finais foram absurdamente tensos!! Usando a internet do celular, pois estava num restaurante, fiquei monitorando o site para me assegurar de que ninguém cobriria o meu lance. O alívio, que senti quando li aquelas palavrinhas em verde: “Congratulations! You’ve won!” é indescritível.

Algumas semanas depois, o livro chegou a minha casa. Quase surtei! A emoção de segurar um livro tão antigo é muito intensa. É um exemplar de capa dura vermelho, razoavelmente pequeno, com as figuras originais! E ainda há uma inscrição a lápis no alto da primeira página que ainda não consegui decifrar…! (Espero, infantilmente, que seja algo secreto ou misterioso…)

20120114-230649.jpg

Em uma outra ocasião, encontrei uma edição da década de 1960 de outro livro do Dickens, “As aventuras do Sr. Pickwick”. Como estivesse num sebo, acabou sendo uma verdadeira pechincha: R$17,00!

Ou seja, por meio desta, faço uma apologia aos sebos: comprem neles! Há uma variedade muito maior de livros e por um preço muito mais acessível! Além de existirem muitos sebos por aí, apenas esperando para serem descobertos…! No Rio de Janeiro, alguns dos melhores se encontram no Centro da cidade e há uma infinidade de lojas virtuais de livros usados que possuem ainda mais opções. E, como os livros não são objetos muito pessoais, como roupas, não há qualquer problema higiênico que nos faça evitar comprá-los usados.

Despeço-me de vocês por um tempo indefinido,

Sua etc.,

Ms Reads

P.S.: Logo, logo, teremos um post especial sobre Dickens, (o Charlie), pois, nesse fevereiro, é seu bicentenário! Parabéns adiantado a esse gênio!

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

Mais um ano… (Possivelmente, o último, rsrs)

Olá, queridos leitores!

(Este não será um post longo. Amanhã, espero ter tempo de colocar algo novo para vocês.)

Então, como foram de Ano Novo? Espero que tenham ido bem, não importa o tipo de comemoração. Se mega badalada ou bem simplória, o que importa é que a comemoração tenha sido alegre e que tenha renovado nossas esperanças para um ano melhor que o passado.

Bom, desejo-lhes um 2012 cheio de paz e prosperidade, afinal, pode ser nosso último ano na Terra… Melhor aproveitar! Leiam bons livros, assistam a bons filmes, cerquem-se daqueles de quem gostam! Enquanto, isso, preparem-se para o dia 21 de dezembro… Que venham os Maias!

Sua etc.,

Ms Reads

P.S.: Não, leitores, não entrem em pânico. Acredito que sim, um dia, o mundo irá acabar. Mas dificilmente isso se dará ainda esse ano. É provável que a civilização Maia tenha entrado em colapso antes de desenvolver mais o seu calendário ou mesmo que não tivessem tecnologia suficiente para calcular o restante das eras terrestres, já diria meu pai. Podem também ter errado ou, ainda, pode ter havido um erro de interpretação. No entanto, se for mesmo o fim, anime-se: morreremos todos juntos, não há nada a ser feito! Rsrs… Desculpem, não resisti.

Charge sobre o calendário Maia, o qual nos assusta até hoje

Sobre o fim do mundo…:

Achei alguns sites muito interessantes sobre o(s) fim(ns) do mundo. Chequem nos links abaixo:

  • Se você é paranoico, veja quantas profecias mostraram-se completamente equivocadas aqui.
  • Não sei a procedência desse site, mas ele apresenta vários detalhes sobre essa fatídica profecia. É constantemente atualizado e parece muito interessante.
  • Nessa reportagem, a BBC desmistifica a profecia maia após um encontro de arqueólogos em ruínas Maias.

 

Curtam o biblionphilia no Facebook!

Feliz Ano Novo! 😀

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

Eventos Literários!

Olá, queridos leitores!

Bom, hoje vamos dar deixar os romances de lado e mudar de assunto. Não se preocupe: é só colocar o marcador de livro e depois voltar a ler. (O marcador, não a aba, por favor…)

Durante esse rápido ano de 2011, estive presente em alguns eventos literários e observei a literatura em locais variados, para que, hoje, pudesse dizer a vocês o que pude apreender de minhas pesquisas. [Como não sou expert nisso, minhas informações podem não estar corretas ou podem ser fruto de total parcialidade do meu olhar, então sintam-se livres para discordar e apresentar suas próprias opiniões.] Vamos, então, dar início a esse relato.

1. A volta dos clássicos

Clássicos serão para sempre clássicos e, por isso, serão continuamente lidos e relidos. Mas, mesmo assim, é possível notar que a leitura de clássicos, de uma maneira geral, parece muito restrita a ambientes acadêmicos, afinal, não há muito, ou quase nenhum, investimento em propaganda nesse setor. De qualquer forma, notei uma mudança nessa situação, mudança essa, aliás, muito bem-vinda.
Cada vez mais, tenho visto edições e re-edições de clássicos perdidos que atraem a atenção do leitor, levando-o a livros consagrados pela história e esquecidos pelo tempo. Em uma loja de roupas nos EUA, encontrei, a um preço acessível, as mais lindas e estilizadas versões de algumas obras, que agora são vendidas também na multinacional Fnac.
Em uma das melhores livrarias americanas, deparei-me com compilações absolutamente estonteantes de autores mais que renomados, como Júlio Verne, Charles Dickens, Jane Austen, Bram Stoker, Homero… Compilações muito semelhantes são vendidas em lojas como a Fnac, a Saraiva e a Livraria Cultura, algumas custando menos que R$40,00!!! Há ainda edições mais modernas, assinadas pelo ilustrador Ruben Toledo, que adquirem um ar mais soturno e jovial, à venda também na Livraria Cultura. Além, é claro, das eternas edições de bolso, da L&PM, da BestBolso e da CRW Publishing, encontradas em qualquer livraria.

Algumas destas edições fantásticas que atraem novos e velhos leitores para os clássicos

2. Os Best-Sellers

Acredito que todos nós temos alguma noção dos livros mais em voga atualmente. E, na maioria das vezes, esses livros seguem um padrão. Por exemplo, é difícil não reconhecer a quantidade assombrosa de vampiros pendurados nas estantes aguardando a chegada da noite, ou dos leitores. Estes livros têm grande mérito, pois fizeram inúmeras pessoas agarrarem-se a eles. Não posso dizer que sejam o meu gênero preferido, confesso que outras criaturas fantásticas me atraem mais, como elfos, hobbits, dragões ou mesmo vampiros clássicos, mas isso é somente a minha opinião e “livros são livros, e, portanto, sagrados”. (Gunter Grass). Logo após a explosão de vampiros no mercado, anjos asseguraram seus lugares nas prateleiras e admito ainda não ter me aventurado por esses mares, ou esses céus. (Desculpem as piadinhas, hehe). Ainda na categoria infanto-juvenil, encontramos várias fusões mitológicas, que trazem ao século XXI lendas, deuses, crenças e tradições de tempos longínquos. E os bruxos, é claro, como já mencionamos em um post passado. Posso dizer que prefiro esses aos demais..! Mas, novamente, isso é apenas a minha opinião e estamos aqui para dados hoje.

Citando nomes…: Harry Potter (J.K. Rowling); Percy Jackson e os Olimpianos (Rick Riordan); a Saga Crepúsculo (Stephenie Meyer); a Série Sussurro (Becca Fitzpatrick); As Crônicas de Kane (Rick Riordan); Diários de Vampiro (L.J. Smith); entre outros

Alguns dos mais famosos na categoria Infanto Juvenil

Com tramas um pouco mais amadurecidas, romances a la Nicholas Sparks também ocupam grande espaço no mercado literário, pois atraem (principalmente) mulheres de todas as idades. “Querido John”; “Diário de Uma Paixão”; “Noites de Tormenta” e “A Última Música” são um sucesso com o público feminino, além de contarem com a celebridade de seus filmes. Mas nem só de Nicholas Sparks sobrevive o romance. Livros como “Um Dia” de David Nicholls” e “Água para Elefantes” (Sara Gruen), ambos com adaptações para o cinema, são bastante difundidos hoje em dia. Admito: coisas piegas são ótimas de vez em quando, pois nos distraem e nos fazem sorrir com suas passagens melosas. Leituras despretensiosas (quando nós não as lemos com pretensão, embora não se possa dizer o mesmo sobre os autores quando as escreveram..) são realmente necessárias ocasionalmente.

Algumas das obras de Nicholas Sparks

De maneira geral, salvo algumas exceções, os livros de maior sucesso são aqueles cujos enredos são levados às telas, uma vez que as pessoas tendem a comprar e ler obras para poder assistir às suas adaptações depois. Não vejo nenhum mal nisso. Aliás, acho uma modalidade igualmente válida de leitura. Então, não se envergonhe se você já leu um livro por causa de um filme! Não há nada de errado nisso, até porque, se foi adaptado para as telas, o livro deve ser bom, não é?

3. Eventos Literários

Compareci a alguns eventos literários durante esse ano e gostaria de compartilhar minhas experiências com vocês.

  • No começo de setembro, estive na XV Bienal do Livro do Rio de Janeiro. Embora o evento estivesse um tanto cheio, foi uma ótima oportunidade para observar a grande saída dos best-sellers acima, bem como a exposição de inúmeras obras desconhecidas que obtêm uma chance única de serem reconhecidas. Muitas editoras pequenas e sem muita fama estavam apinhadas de pessoas cavando para descobrir verdadeiros tesouros enterrados em pilhas de papel. É um evento maravilhoso, espero que a edição de 2013 chegue logo!
  • Também no meio do ano, tive a oportunidade de estar presente na inauguração da primeira Livraria Cultura do Rio de Janeiro. Meu queixo caía a todo o momento. Edições e mais edições de todos os livros que eu amo, livros e mais livros que eu nunca havia ouvido falar, seções e mais seções de clássicos… Fiquei abismada. Eles possuem uma ótima coleção de literatura brasileira, as mais belas edições de algumas obras, muito material específico… Fantástico!

AVISO: Embora livrarias e editoras tenham sido citadas nesse post, o blog NÃO tem fins lucrativos ou comerciais, nem é afiliado que qualquer uma dessas empresas, não possuindo, portanto, qualquer direito autoral sobre qualquer obra mencionada. Também NÃO é o objetivo do blog fazer qualquer tipo de propaganda sobre os livros discutidos.
Sua etc.,

Ms Reads

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

Citações sobre o “conjunto de folhas de papel escritas, impressas ou em branco…”

Olá, queridos leitores!

Estou lendo mais livros para me atualizar e postar mais em um futuro não tão próximo, pois todos os meus posts requerem pesquisas e consomem um tempo que não tenho tido. Férias são mais ocupadas do que algumas pessoas pensam. Mesmo. Então, aproveitei a brecha que tive hoje para mostrar a vocês algumas de minhas citações preferidas sobre nossos amados livros. Pode parecer um tema bastante específico, mas acredite, são muitas, razão pela qual fiz uma seleção criteriosa e rigorosa das frases. Ah, aviso importante: como achei as citações somente na língua inglesa, eu mesma as traduzi, por isso, perdoem-me por qualquer erro.

“Um livro não faz piadas ruins, bebe demais ou come mais do que você pode pagar.” (Kenneth Turan – crítico cinematográfico americano)

Um livro contém uma casa de ouro.” (Provérbio chinês)

“Um livro é um jardim, um pomar, um armazém, uma festa, uma companhia pelo caminho, um conselheiro, uma multidão de conselheiros.” (Henry Ward Beecher – teólogo americano)

“Um livro é um presente que você pode abrir de novo e de novo.” (Garrison Keillor – escritor, humorista e radialista americano)

“Um livro é uma das mais pacientes de todas as invenções humanas. Séculos não significam nada para um livro bem feito. Ele espera o seu leitor, vem quando ele puder com as mão ansiosa e o olho que vê. Aí ocorre um dos grandes exemplos de união.” (Lawrence Clark Powell – bibliógrafo, escritor, bibliotecário e crítico literário estadunidense)

“Um grande livro deve deixar você com muitas experiências e um tanto exausto. Você deve ter vivido muitas vidas durante a leitura.” (William Styron – romancista americano)

“Uma casa sem livros é como um corpo sem alma.” (Marcus Tullius Cicero – filósofo, escritor, advogado e político romano)

“Uma biblioteca é um arsenal de liberdade.” (Autor desconhecido)

“Uma biblioteca de sabedoria é mais preciosa que qualquer riqueza e todas as coisas que são desejáveis não se podem comparar a ela. Quem, portanto, declarar ser dedicado à verdade, à felicidade, ao conhecimento e à sabedoria deve ser um amante dos livros.” (Autor desconhecido)

“Um livro bem escrito é um tapete mágico no qual somos soprados pelo vento para um mundo em que não podemos entrar de nenhuma outra maneira.” (Caroline Gordon – romancista americana)

“Os amantes de livros vão me compreender, e vão saber também que parte do prazer de uma biblioteca jaz em sua própria existência.” (Jan Morris – romancista e escritora galesa)

“Livros são um mundo melhor dentro do mundo.” (Alexander Smith – poeta escocês)

“Livro são para pessoas que desejam estar em outro lugar.” (Mark Twain – escritor americano)

“Livros já são bons à sua própria maneira, mas são poderosos e exangues substitutos para a vida.” (Robert Louis Stevenson – romancista escocês)

“Livros são os portadores da civilização. Sem eles, a história é silenciosa, a literatura muda, a ciência aleijada, pensamento e reflexão paralisados.” (Barbara W. Tuchman – autora e historiadora americana)

“Livros são os mais quietos e constantes amigos; são os mais acessíveis e sábios conselheiros e os mais pacientes professores.” (Charles W. Elliot – acadêmico americano)

“Livros nos concedem apoio em nossa solidão e nos impedem de ser um peso para nós mesmos.” (Jeremy Collier – crítico teatral, teólogo e bispo inglês)

“Até mesmo livros ruins são livros e, portanto, sagrados.” (Gunter Grass – intelectual, romancista, dramaturgo, poeta e artista plástico alemão)

“Se há um livro que você realmente queira ler, mas que ainda não foi escrito, então você deve escrevê-lo.” (Toni Morrison – escritora estadunidense)

“Líderes são Leitores” (Charles Jones – melhor no original: “Leaders are Readers”)

“Real pobreza é a falta de livros” (Sidonie Gabrielle – romancista francesa)

“É um bom livro aquele que é aberto com expectativa e fechado com lucro” (Amos Bronson Alcott – pedagogo americano)

“A primeira vez que leio uma obra excelente é para mim como se tivesse ganhado um novo amigo; e quando leio novamente um livro que já li antes, o evento assemelha-se a um encontro de velhos amigos.” (Oliver Goldsmith – médico escritor irlandês)

“O estudo apropriado da humanidade são os livros.” (Aldous Huxley – escritor e roteirista inglês)

“Há mais tesouro nos livros do que em todo o saque dos piratas na Ilha do Tesouro e no fundo dos oceanos espanhóis… E melhor: você pode aproveitar essas riquezas todos os dias.” (Walt Disney – um um produtor cinematográfico, cineasta, diretor, roteirista, dublador, animador, empreendedor, filantropo e co-fundador da “The Walt Disney Company”, dispensa apresentações, não é?)

Conhece mais alguma? Deixe nos comentários!

Sua etc,

Ms Reads

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized