Arquivo da tag: noah

Medieval Times

Olá, queridos leitores!
Primeiramente, gostaria de pedir mil desculpas pela demora lastimável… Quase 3 meses! Nem me arriscarei em perdões muito demorados, pois estes seriam apenas falsas escusas. Muito bem, agora não há nada a fazer, vida que segue.

Passado esse estágio, sugiro que comecemos com o livro de hoje. Ainda longe de ser considerada um clássico, a obra de hoje é extremamente interessante. Apresento a vocês, do escritor americano Noah Gordon, “O Físico”.

Sinopse: O livro conta a história de Rob J Cole, um garoto que, após perder os pais, torna-se aprendiz de “barbeiro”, como eram denominados os médicos, em plena Idade Média na Inglaterra. Com Barber, seu mestre de “barbeiro-cirurgião”, o menino, inicialmente com 9 anos, percorrerá toda a Grã-Bretanha adquirindo todos os conhecimentos medicinais europeus à época. (Note que digo europeu, pois no Oriente, como veremos mais adiante, a medicina era muito mais avançada). De toda forma, Barber cria o garoto como um filho, em meio ao ambiente insalubre que configurava a Europa medieval. Nesse período de sua vida, Rob vive suas primeiras experiências com mulheres, com bebida e com as tentativas de curar todos aqueles que faziam fila no biombo que ele e Barber montavam nas cidades pelas quais passavam. Rob, porém, não é um mero aprendiz, pois o garoto nasceu com um “dom quase místico de curar”. Esse dom muitas vezes assusta o menino, que tem a capacidade extraordinária de reconhecer a morte iminente, ou seja, ele simplesmente sente quando o “Cavaleiro Negro” levará as pessoas da vida terrena. E assim o garoto vive até a juventude.

Imagem de um barbeiro-cirurgião durante a Idade Média

Com a morte de Barber, o garoto, sempre procurando saber e conhecer mais, começa sua longa jornada em busca das melhores escolas de medicina do mundo na época, que encontravam-se na Pérsia. Essa nação, no entanto, não via com bons olhos os cristãos e a isso segue-se uma das mais comoventes cenas do livro, quando Rob, em sua última visita a um templo cristão, promete a Cristo que não O abandonará ao adotar uma vida judaica. Assim, disfarçado pela religião, Rob consegue entrar na conceituadíssima escola de medicina Maristan.

Sendo sempre um aluno muito aplicado, Rob se destaca aos olhos de Ibn Sina (ou Avicena) o real e mais renomado médico medieval e, por sua franqueza, cai nas graças do Xá (o imperador). Ele cresce na profissão, faz inúmeros amigos da escola e chega a ser médico de guerra durante uma das empreitadas do Xá para conquistar outras áreas. Também enfrenta pacientes com a famosa Peste Negra e se questiona diversas vezes ao tratar de pacientes com a “dor de lado”, a qual, hoje, entendemos como apendicite. Além disso, casa-se com uma cristã escocesa, intensamente ruiva (o que desperta a curiosidade dos árabes que nunca haviam visto essa cor de cabelo). Na parte final, Rob volta para a Escócia, terra natal de sua mulher, onde perpetua sua linhagem e continua a exercer a nobre profissão de médico.

Ibn Sina, o grande médico medieval, personagem dessa história cativante

Minha opinião: Apesar de ser um pouco escatológico, retratando com minúcias as podridões da era medieval, o livro é de fato muito interessante e dificilmente conseguimos largá-lo sem terminar. Através dele podemos entender todo o desenvolvimento de uma das ciências de maior importância para o ser humano, além de apresentar um romance muito atrativo. De uma maneira geral, a obra é uma bela demontração da inquietude humana que sempre busca conhecer mais, jamais saciando-se com o que já se sabe.

Considero uma história muito agradável e recomendo a todos que gostem de romances históricos (como eu!)

Sua etc.,

Ms Reads

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Resenha, Uncategorized